Banir jogadores? Sim ou não? Temos de compreender a dinâmica entre desenvolvedor e jogador

Banir jogadores? Sim ou não? Temos de compreender a dinâmica entre desenvolvedor e jogador

10 Novembro, 2019 0 Por Sandro Sotto

Nos últimos dois meses, foram criados alguns precedentes interessantes na indústria de videojogos, à medida que as fronteiras entre jogadores e desenvolvedores estão a ser redesenhadas. Os banimentos recentes de jogadores profissionais como Blitzchung (Hearthstone) e Faze Jarvis (Fortnite) levantaram pontos interessantes de consideração para a comunidade global de jogos.

É justo banir jogadores?

Fornecer alguns antecedentes para o problema; Jarvis da equipa Faze, um conhecido jogador de Fortnite, foi banido quando transmitiu para o público o uso de bots ilegais e assim ter recebido vantagem do mesmo.

Blitzchung, por outro lado, foi banido pelos desenvolvedores de Hearthstone por causa das suas opiniões pró-Hong Kong que pareciam ofender os sentimentos chineses e, no processo, manchar a imagem de um jogo que goza de incrível popularidade por lá.

A decisão de banir os dois jogadores precisa de ser cuidadosamente examinada; banir Jarvis permanentemente parece ter ganhado muitos adeptos. No entanto, se quisermos entender os videojogos como locais de contestação em que desenvolvedores e jogadores constantemente tentam controlar como um jogo é jogado, o uso do aimbot, de Jarvis, não é muito diferente de encontrar uma falha no jogo.

Jarvis - Banir jogadores? Sim ou não? Temos de compreender a dinâmica entre desenvolvedor e jogador

Jarvis

A Epic Games poderia usar a sua experiência para tornar o jogo mais seguro e imune a esses hacks no futuro, em vez de temer o impacto que a sua popularização terá sobre outros jogadores. As empresas de software recompensam repetidamente os hackers por encontrar vulnerabilidades e o uso de um hack nos jogos não é diferente.

Entre a comunidade de jogadores, além de falhas, explorações e segredos, apenas ofereceram ao descobridor mais credibilidade. Assim, a popular justificação do banimento de Jarvis, é o facto dele ganhar dinheiro com o jogo, e parecer redutora e, até certo ponto, maldosa.

Já o ban de Bitzchung é consideravelmente mais desconcertante, pois ele foi punido por expressar as suas opiniões políticas. Num momento em que os princípios fundamentais da democracia e da liberdade de expressão nunca foram mais sitiados, é de partir o coração assistir a organizações gigantes como Google e Amazon ajoelharem-se diante da força dos mercados com muita força, como é o da China.

Bitzchung - Banir jogadores? Sim ou não? Temos de compreender a dinâmica entre desenvolvedor e jogador

Bitzchung

No entanto, é importante observar que Blitzchung é um cidadão privado que tem direito à sua opinião e que ficou significativamente decepcionado. Enquanto ele ganha dinheiro com eventos organizados pela Blizzard e joga os seus jogos, ele o faz ganhando esses eventos e não é seu empregado.

Uma distinção que de alguma forma é esquecida; portanto, não é da preocupação de Blitzchung preocupar-se com o mercado do jogo.

À medida que a natureza dos relacionamentos entre desenvolvedores de jogos e jogadores começa a ser mais explorada, é importante que os desenvolvedores percebam que o relacionamento é simbiótico, e eles precisam cada vez mais dos jogadores.

Ajude-nos a crescer, visite a nossa página do Facebook e deixe o seu gosto, para ter acesso a toda a informação em primeira mão. E se gostou do artigo não se esqueça de partilhar o mesmo com os seus amigos.