Xiaomi já vende mais smartphones que a Huawei

Xiaomi já vende mais smartphones que a Huawei

20 Março, 2020 0 Por Joel Pinto

No mundo da tecnologia nunca devemos ter um dado como adquirido. Quem se lembra da Nokia em tempos ser um líder absoluto na venda de smartphones a nível mundial? Provavelmente muitos de vós, mas a verdade é que hoje luta para ter uma posição decente num mercado já por si saturado. Mas há mais, como por exemplo a BlackBerry, que outrora foi uma das maiores fabricantes mundiais de smartphone… tal como o iPhone, toda a gente queria ter um BlackBerry. E hoje? Bem hoje a Blackberry literalmente morreu para esse mercado. E se até há sensivelmente 9 ou 10 meses a Huawei lutava com a Apple pelo terceira posição do maior vendedor mundial de smartphones, a verdade é que agora a Xiaomi tira-lhe o lugar no pódio.

Xiaomi é agora a maior fabricante chinesa de smartphones

Sim, a Xiaomi é actualmente a terceira fabricante que mais smartphone vende em todo o mundo, sendo apenas batida pela Samsung, que ocupa o primeiro lugar, e a Apple, que tem a segunda posição.

Xiaomi

Pelo menos é o que dizem os dados disponibilizados pela Strategy Analytics, que são referentes ao passado mês de Fevereiro de 2020. A Huawei teve uma queda acentuada nas suas vendas o que permitiu à Xiaomi alcançar o terceiro lugar nesse ranking, apesar de também ela ter tido uma queda acentuada… mas bem menos acentuada.
É curioso verificar que a diferença nas vendas entre Xiaomi e a Huawei foi de apenas 500 mil unidades, o que nos dá uma estimativa de quanto os dois players estão actualmente ao mesmo nível.

Obviamente que esta grande quebra nas vendas da Huawei se deveu ao embargo imposto pelo governo Norte Americano, que faz com que a empresa não tenha uma licença da Google, e assim afasta os potenciais clientes ocidentais dos seus equipamentos mais recentes.

Os próximos meses não serão fáceis para as empresas, e prevê-se uma quebra ainda mais acentuada nas vendas.

FONTE

Joel Pinto
 | Website

Fundador do Noticias e Tecnologia, e este foi o seu segundo projeto online, depois de vários anos ligado a um portal voltado para o sistema Android, onde também foi um dos seus fundadores.