Call of Duty: Microsoft oferece contrato que permite manter o jogo 10 anos na PlayStation

Call of Duty: Microsoft oferece contrato que permite manter o jogo 10 anos na PlayStation

22 Novembro, 2022 0 Por Joel Pinto

Novas informações chegam até nós do New York Times, um meio sério e com muita credibilidade. Estes dão conta de que no passado dia 11 de novembro, a Microsoft teria oferecido um grande acordo à Sony: nos termos desse acordo, a franquia Call of Duty permaneceria na PlayStation durante pelo menos 10 anos.

Sabendo que um acordo comercial de duração infinita simplesmente não é possível (que significa “não legal”), a proposta da Microsoft é uma indicação adicional da integridade das declarações de Phil Spencer sobre o assunto.

Há meses, de facto, o homem forte da Xbox proclama constantemente que não tem interesse em querer manter a franquia Call of Duty como exclusiva da Xbox, promessas que nunca parecem satisfazer Jim Ryan, o bigboss da PlayStation, agora condenado a colocar o seu jogo na mesa.

Porque, por sua vez, o chefe da Sony continua a repetir que, em vista das responsabilidades antitruste da Microsoft (responsabilidades distantes mesmo assim …), não há dúvida de que a Xbox acabará por reservar o Call of Duty apenas para ele, declarações pesadas pela profecia de uma Sony que voltaria ao estado de pó assim que Call of Duty deixasse de estar disponível na consola da empresa Japonesa.

11 dias após a mão estendida da Microsoft, a Sony ainda não reagiu publicamente, e há rumores de que esse silêncio equivaleria a uma recusa… necessariamente muito significativa. Porque se a Sony confirmar a recusa do acordo, isso provavelmente significaria que esta deseja, acima de tudo, não obter garantias sobre a Call of Duty, mas sim inviabilizar a aquisição em conjunto.

Xbox propôs um contrato que garantia o Call of Duty durante pelo menos 10 anos na PlayStation

Call of Duty

Resta agora à Sony convencer as autoridades reguladoras de que a aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft representa um perigo para o setor de videojogos, uma mudança de estratégia de 180° que Jim Ryan já está a começar a experimentar: quando questionado sobre a proposta de acordo com a Xbox , Ryan lembra que a Microsoft “tem uma longa história de domínio de setores” e afirma sem dar muita atenção aos argumentos de que “as opções que os jogadores têm hoje desaparecerão se esse acordo for concluído”.

A estratégia de “chamada de perigo” agora está obsoleta, então agora é uma questão de trazer a artilharia pesada e apresentar a Xbox como um verdadeiro vilão, o vilão em quem nunca se pode confiar.

Um pouco grande talvez vindo de um fabricante que se apossou de centenas de estúdios terceirizados (exclusivos temporários, bónus e conteúdo exclusivo do PlayStation) e fez editoras assinarem cláusulas para que os seus jogos não fossem lançados no Game Pass…

A minha opinião pessoal é muito clara, a principal preocupação da Sony não está no facto da Xbox cumprir com a promessa de manter o Call of Duty na PlayStation… está sim no “medo” de que o jogo seja disponibilizado no Game Pass, já que isso faria com quem milhões de jogadores em todo o mundo pudessem abdicar de comprar uma consola, seja ela Sony, Xbox ou até mesmo um PC Gaming, já que esse serviço pode correr na nuvem. E isso é algo que daria muito dinheiro à Microsoft.

Joel Pinto
 | Website

Fundador do Noticias e Tecnologia, e este foi o seu segundo projeto online, depois de vários anos ligado a um portal voltado para o sistema Android, onde também foi um dos seus fundadores.