Ren Zhengfei "prefere morrer" do que colaborar com o serviço secreto chinês

Ren Zhengfei "prefere morrer" do que colaborar com o serviço secreto chinês

9 Julho, 2019 0 Por Joel Pinto

Numa entrevista ao Financial Times e retransmitida pela CNBC, Ren Zhengfei assegurou que a Huawei nunca fornecerá os dados dos seus utilizadores em caso de solicitação do governo chinês. No entanto, uma lei de 2017, exige que as empresas chinesas trabalhem com o governo como parte de um esforço nacional de inteligência.

A fabricante dá o exemplo da Apple, que sempre se recusou a desbloquear os seus produtos a pedido das autoridades norte-americanas. Após os ataques de San Bernardino em 2015, o FBI pediu à Apple, por exemplo, que lhe desse acesso ao iPhone de um terrorista . A Apple nunca se dignou a cooperar com a agência.

Huawei promete nunca espiar os seus utilizadores

"Nós nunca faremos uma coisa dessas. Se eu tivesse feito isso uma vez, os Estados Unidos teriam evidências para espalhar pelo mundo. Os 170 países e regiões em que operamos actualmente deixariam de comprar os nossos produtos, e o nosso negócio entraria em colapso ", disse Ren Zhengfei. Segundo ele, os dados pessoais pertencem aos utilizadores e não à Huawei.

"Depois disso, quem pagava as dívidas que temos? Os nossos funcionários são todos muito competentes. Eles renunciariam e começariam o seu próprio negócio, deixando-me sozinho para pagar as nossas dívidas. Eu prefiro morrer ", diz o empresário de 74 anos. "Os operadores devem seguir cada utilizador, caso contrário, nenhum telefonema poderia ser feito. É sua responsabilidade rastrear os dados do utiizador. Como fornecedor de equipamentos, não rastreamos qualquer dado ", afirma o CEO.

Ren Zhengfei

Para o líder, os medos de Donald Trump são simplesmente infundados porque o governo chinês não está a interferir na vida corporativa. "Eles não interferem nas nossas operações comerciais", assegura o CEO. " Não sei porque o governo dos EUA gere as suas empresas de tecnologia tanto quanto elas. Eles agem como uma sogra, e se eles se envolverem demais, a sua nora pode desaparecer ", disse Ren Zhengfei.

Esta não é a primeira vez que o fundador da Huawei evoca o seu profundo respeito pela Apple . "A Apple é minha professora", explicou o gerente, alguns dias depois do decreto de Donald Trump. Apesar das afirmações dos seus líderes e do relaxamento anunciado pelo presidente dos Estados Unidos, a Huawei continua na lista negra e ainda não consegue negociar sem impedimentos, com empresas americanas. Da mesma forma, a Huawei espera que a luz verde de Washington faça recuperar a sua licença do Android .

Já deixou o seu like na nossa página do Facebook, no, Threads, do Instagram, do BlueSky e do X? Receba toda a informação em primeira mão. Siga-nos também no Google Notícias, basta seleccionar-nos entre os seus favoritos clicando na estrela.

Joel Pinto

Fundador do Noticias e Tecnologia, e este é o seu segundo projeto online, depois de vários anos ligado a um portal voltado para o sistema Android, onde também foi um dos seus fundadores.

Informático de profissão, e apaixonado por novas tecnologias, desportos motorizados e BTT.