LinkedIn comenta oficialmente o caso da fuga de dados de 700 milhões de utilizadores

LinkedIn comenta oficialmente o caso da fuga de dados de 700 milhões de utilizadores

30 Junho, 2021 Não Por Joel Pinto

Ontem revelamos aqui que apareceu à venda na Dark Web os dados pessoais de 700 milhões de utilizadores do LinkedIn. Se tivermos em consideração que a rede social tem pouco mais de 760 milhões de utilizadores registados, então o caso é mesmo muito sério.

No entanto, até ao lançamento do nosso artigo, o LinkedIn ainda não tinha feito qualquer comentário sobre o assunto, e isso acabou por acontecer nas ultimas horas, confirmando a hipótese de que não houve violação dos seus sistemas. Em vez disso, essa foi uma operação de raspagem (a extracção de dados de um site através do uso de um software especial):

Queremos deixar claro que isso não é uma violação de dados e que nenhum dado privado de membros do LinkedIn foi exposto. A nossa investigação inicial descobriu que esses dados foram retirados do LinkedIn e de outros sites e incluem os mesmos dados relatados no início deste ano na nossa actualização de scraping de abril de 2021. Os utilizadores confiam no Linkedin e qualquer uso indevido dos dados dos nossos membros, como scraping, viola nossos termos de serviço.

LinkedIn

LinkedIn afirma que não houve violação de dados pessoais

Independentemente da forma como os dados foram obtidos, o certo é que eles foram expostos. Seja através de uma violação dos servidores, de uma "raspagem" ou de qualquer outra técnicas, os dados estão lá, contra isso já nada podemos fazer.

Pelo sim, pelo não, a nossa melhor sugestão é que se utiliza a rede social LinkedIn, altere a password da mesma.

FONTE