A pirataria é cada vez menos popular entre os jovens europeus

A pirataria é cada vez menos popular entre os jovens europeus

13 Junho, 2022 0 Por Joel Pinto

Em 2016, o Escritório Europeu de Propriedade Intelectual (EUIPO) contabilizou que 39% dos jovens entre os 15 a 24 anos consumiam pirataria. Em 2022, o mesmo estudo do EUIPO mostra que a taxa de pirataria caiu nesta população, e é agora de apenas 33%. 21% dos cerca de 22.021 entrevistados admitiram ter conteúdo pirateado nos últimos doze meses, mas 12% afirmam o ter feito "por acidente".

A grande maioria dos jovens europeus (60%) nunca pirateou nada nos últimos doze meses. É claro que existem diferenças significativas entre os países. Assim, em Malta, mais de metade da população inquirida admitiu ter acesso a conteúdos ilegais, contra apenas um quarto na Alemanha.

Na França, 10% dos consumidores de música ouvem apenas faixas descarregadas ilegalmente, enquanto na Holanda esse número é de apenas 1,5%. O perfil mais típico é o da pessoa que consome conteúdo legal e ilegal.

O estudo do EUIPO, que ocorre a cada três anos, também mostra que é entre os jovens mais instruídos que a pirataria é mais comum. 28% daqueles com diploma universitário piratearam algo intencionalmente no ano passado, em comparação com 15% daqueles que desistiram durante, ou após, o ensino médio.

Embora o custo das assinaturas seja frequentemente citado como motivo para o uso de sites piratas, estudantes empregados hackeiam com mais frequência (24%) do que aqueles que não têm emprego (18%). Os primeiros provavelmente querem evitar desperdiçar os frutos do seu trabalho, enquanto os últimos são frequentemente ajudados pelos pais.

pirataria

Jovens Europeus recorrem cada vez menos à pirataria

Mais da metade dos jovens que descarregaram, ou transmitem ilegalmente, citam o custo como a principal motivação para a pirataria (55%). Para 25% deles, a falta de disponibilidade de conteúdo é o principal motivo: uma série que desaparece de um site de streaming legal pode levar um fã a piratear a sequência.

FONTE

Já deixou o seu like na nossa página do Facebook? Receba toda a informação em primeira mão. Siga-nos também no Google Notícias, basta selecionar-nos entre os seus favoritos clicando na estrela.