Padrão HDMI 2.1a poderá em breve ver a luz do dia com o SBTM

Padrão HDMI 2.1a poderá em breve ver a luz do dia com o SBTM

25 Dezembro, 2021 0 Por Sandro Sotto

Recentemente falamos aqui de um problema que pode fazer com que os utilizadores possam ser enganados quando querem um dispositivo com uma porta HDMI 2.1. Basicamente, revelamos que o HDMI 2.0 foi renomeado para HDMI 2.1, o que cria muita confusão para os seus clientes. No entanto, agora surgem informações de que o HDMI 2.1a poderá não demorar muito a ver a luz do dia, com algumas inovações interessantes.

Uma grande inovação deste HDMI 2.1a deve ser o Source-Based-Tone-Mapping ou SBTM, para abreviar. Segundo a HDMI Association, também é possível adaptar essa função através de uma actualização de firmware para produtos que já estão disponíveis no mercado. Basicamente, o SBTM é semelhante ao HGiG, pois já é usado para jogos. Isso significa que o dispositivo de reprodução comunica com a sua TV e o mapeamento de tom duplo é evitado com conteúdo HDR, mas ocorre apenas uma vez na fonte, e é adaptado para a respectiva TV.

Se o mapeamento de tons não informa nada: simplificado, significa um processo no qual um dispositivo verifica os metadados de um conteúdo, e reconhece quais os requisitos que ele pode atender. Se, por exemplo, um filme é masterizado para um brilho de 10.000 nits, é claro que actualmente não pode ser reproduzido numa TV convencional. Em vez disso, a TV "dimensiona" o conteúdo com base nas suas capacidades e, por assim dizer, converte os valores de acordo com suas capacidades. Acima de tudo, é fundamental manter as distâncias corretas. Simplificado: o poste de luz que deveria brilhar a 10.000 nits torna-se num objecto brilhante com 1.000 nits. Claro, a TV não pode simplesmente escurecer completamente o resto da imagem, mas deve criar uma espécie de escala para si mesma, e cada fabricante aborda o mapeamento de tons de forma um pouco diferente.

HDMI 2.1a

HDMI 2.1a poderá chegar em breve com o SBTM

Fica mau quando o seu player, e a sua TV, fazem o mapeamento de tons. Isso então falsifica o conteúdo. O HGiG é uma forma de evitar isso nos jogos, e o SBTM agora deve ajudar com outro conteúdo de forma semelhante e também coordenar diferentes tipos de conteúdo. Como exemplo, os responsáveis ​​pelo HDMI citam um menu de um serviço de streaming: O vídeo pode ser masterizado em HDR, mas miniaturas apenas em SDR. Depois, há uma interface gráfica de utilizador para o menu. A representação paralela correta é complexa.

Nesse caso, faz sentido se o dispositivo de reprodução executa o mapeamento de tom e não a exibição. Porque apenas a fonte pode diferenciar o conteúdo a ser exibido em paralelo. E é aqui que o SBTM entra em jogo, já que ele pode funcionar em segundo plano, e portanto, não é uma nova tecnologia HDR ou um modo de imagem especial. O SBTM pode funcionar com reprodutores de streaming, PCs, consolas de jogos, decodificadores e muito mais. No entanto, a fonte e o monitor devem ser compatíveis com o mesmo.

As fabricantes terão a opção de anunciar suporte para o SBTM como um dos recursos HDMI 2.1. Mais detalhes sobre o HDMI 2.1a são esperados para serem anunciados na CES 2022.

FONTE

Já deixou o seu like na nossa página do Facebook? Receba toda a informação em primeira mão. Siga-nos também no Google Notícias, basta selecionar-nos entre os seus favoritos clicando na estrela.