Meta muda a publicidade comportamental na União Europeia

Meta muda a publicidade comportamental na União Europeia

2 Agosto, 2023 0 Por Joel Pinto

A Meta, a empresa por trás das redes sociais Facebook, Instagram, Threads e WhatsApp, anunciou que os utilizadores poderão ativar, ou desativar, a publicidade comportamental nas suas plataformas. A empresa já havia declarado um interesse legítimo nesse tipo de rastreamento.

No passado mês de março, a empresa anunciou que mudaria a base legal da publicidade comportamental de "necessidade contratual" para "interesse legítimo". Isso aconteceu após uma decisão do DPC (Comissário de Proteção de Dados) da Irlanda, em janeiro, que proibiu a Meta de codificar publicidade comportamental nos seus termos de serviço como base para o uso dos serviços.

A mudança atual presumivelmente remonta a uma decisão do ECJ, de 4 de julho. O ECJ também considera que as práticas atuais da Meta são inadequadas e provavelmente violam a lei de proteção de dados. Portanto, a Meta provavelmente está a antecipar regulamentações legais ou outras penalidades. A passagem relevante do acórdão do Tribunal de Justiça sobre este assunto:

"No que diz respeito ao processamento realizado pela Meta Platforms Ireland num sentido mais geral (incluindo o processamento de dados 'não sensíveis'), o Tribunal examina então se ele se enquadra nos fundamentos de justificação estabelecidos no GDPR, sob os quais o processamento de dados pode ser lícito sem que o titular dos dados tenha dado o seu consentimento. A este respeito, o Tribunal considera que a necessidade de executar o contrato celebrado com essa pessoa só justifica a prática controvertida se o tratamento dos dados for objetivamente indispensável, na medida em que o objeto principal do contrato não poderia ser cumprido sem ele. Sob controlo do tribunal nacional, o Tribunal de Justiça manifesta dúvidas que a personalização do conteúdo ou o uso consistente e contínuo dos serviços do grupo Meta podem atender a esses critérios. Além disso, o Tribunal considera que a personalização da publicidade utilizada para financiar a rede social Facebook não pode, enquanto interesse legítimo da Meta Platforms Ireland, justificar o tratamento de dados em questão, a menos que o titular dos dados tenha dado o seu consentimento.”

A publicidade comportamental tem os dias contados no Facebook e Instagram

A Noruega impôs uma proibição de publicidade comportamental no Facebook e Instagram no mês passado como resultado dessa decisão. Max Schrems, iniciador da reclamação de proteção de dados de 2018, também comentou sobre as mudanças e forneceu um pouco mais de informações sobre a decisão numa publicação recente.

Um cronograma para implementar as mudanças não foi mencionado na publicação do blog da Meta. Depois disso, nada deve mudar para os utilizadores. A publicidade comportamental também continuará a ser oferecida, mas apenas com consentimento explícito.

Já deixou o seu like na nossa página do Facebook, no, Threads, do Instagram, do BlueSky e do X? Receba toda a informação em primeira mão. Siga-nos também no Google Notícias, basta seleccionar-nos entre os seus favoritos clicando na estrela.

Joel Pinto

Fundador do Noticias e Tecnologia, e este foi o seu segundo projeto online, depois de vários anos ligado a um portal voltado para o sistema Android, onde também foi um dos seus fundadores.