Estará o mercado preparado para receber um smartphone sem os serviços da Google?

Estará o mercado preparado para receber um smartphone sem os serviços da Google?

6 Outubro, 2019 0 Por Joel Pinto

Muito se tem falado dos novos smartphone da Huawei. Sejam essas razões boas e/ou más, a verdade é que a série de smartphones Mate 30 está nas bocas do mundo. Agora a questão é: será que o mercado está preparado para receber um smartphone sem os serviços da Google?

No passado mês de Setembro, surgiram informações de que com apenas alguns clicks se conseguiam instalar os serviços da Google no novo smartphone da Huawei. E para quem esteve debaixo de uma rocha durante este tempo todo, por imposição do governo dos EUA, a Huawei foi obrigada a lançar a série Mate 30 sem as aplicações da Google. Sim, significa que o telefone não tem o Gmail, o Google Fotos, o Google Maps, a Play Store, e muitas outras aplicações.

Mas voltando ao assunto, em Setembro foi explicado uma forma de instalar essas mesmas aplicações, de uma forma extremamente simples (mostrei aqui). Essa forma era tão simples, que rapidamente se apontou o dedo à Huawei por o telefone não contar com qualquer tipo de protecção ao utilizador. Ou seja, da mesma forma que aquele método disponibilizou as aplicações Google no telefone, também podia assumir facilmente o controlo do equipamento… isto porque o telefone não contava com as protecções que eram necessárias para o efeito. Acontece que a Huawei, e bem, tapou essa brecha, tornando o telefone mais seguro, mas também matou as possibilidades de instalar as aplicações da Google.

Mate 30 bootloader

Mate 30

E quem quer um telefone Android sem aplicações Google?

Se estivéssemos na China, era super normal não contar com os serviços da Google. Mas no resto do mundo, um telefone dificilmente vingará sem os seus serviços. Não contar com um ou dois serviços do gigante das pesquisas é totalmente diferente de não poder contar com nenhum deles.

Já se imaginou sem poder utilizar o Gmail? Sem poder sincronizar os seus contactos, e ter de voltar a digita-los 1 a 1 no dispositivo… isso parece-me coisa do ano 2007.

E as centenas e ou milhares de fotos que já tem no Google Fotos? Sim, as fotos que tem na cloud do Fotos deixam de estar visíveis no seu novo smartphone? Ainda assim dá de barato esses 2 serviços? Então e o Google Maps? Não utiliza com alguma frequência? E o Lens? ahh o Youtube, também o deixa de parte?

A verdade é que nem os utilizadores do iOS já vivem sem os serviços da Google, então como conseguiram sobreviver os utilizadores do Android sem os mesmos? Sinceramente, acho que não o vão fazer.

A Huawei apresentou recentemente o HarmonyOS… como sendo o seu próprio sistema operativo. E uma das vantagens que foram reveladas, é que o mesmo iria ser 100% compatível com as aplicações Android, mas, sim existe um mas… o “castigo” há Huawei mantém-se no HarmonyOS. Ou seja, ter o seu próprio sistema operativo próprio, ou ter uma versão limpa do sistema operativo Android, a segunda opção continua a ser definitivamente melhor, já que está mais madura, mais segura e muito mais capaz.

Não creio que o HarmonyOS algum dia vá fazer mossa ao sistema Android, porque mesmo que um dia chegue com os smartphones da Huawei, continuará a não contar com os serviços da Google. E para mim, não ter os serviços da Google, é quase como não ter câmara fotográfica, não ter GPS, ou simplesmente não der para fazer chamadas.. é algo que não faz sentido no mercado Ocidental (pelo menos para já, e nos próximos anos).

Mas agora voltando ao Mate 30 da Huawei: quem perde com isto tudo são os consumidores. O Mate 30 e Mate 30 Pro, são dos melhores equipamentos que já foram anunciados, e recentemente o pessoal do DxOMark classificou o mesmo como sendo e melhor smartphone já feito para fotografia, logo é uma pena que o dispositivo não conte com os serviços da Google. Espere que toda a guerra comercial entre a China e os EUA termine rapidamente, e tudo se resolva para bem dos consumidores… mas até lá, ter um smartphone sem os serviços da Google, a meu ver, não faz sentido.