Huawei prevê uma grande queda nas vendas de smartphones

Huawei prevê uma grande queda nas vendas de smartphones

8 Março, 2020 0 Por Joel Pinto

Sabemos que há algum tempo a gigante chinesa, a Huawei, está com algumas dificuldades em vender smartphones no Ocidente, muito por culpa do governo Norte Americano, que privou a empresa de utilizar os serviços da Google, e como tal, a empresa só pode disponibilizar o sistema operativo Android, de forma “incompleta”. Ou seja, os seus mais recentes smartphones não contam com aplicações muito populares, como a Google Play Store, Gmail, Google Maps ou até mesmo o Google Chrome.

Huawei prevê uma grande desaceleração na venda de smartphones

No entanto, todos nós sabemos que não importa o quão bons sejam os smartphones (que realmente são do melhor que o mercado tem), mas sem os serviços, e aplicações da Google, será realmente difícil conseguir convencer os utilizadores a adquirir os seus equipamentos.

2020 será um desafio, e a Huawei está bem ciente disso. A empresa quer vender entre 190 e 200 milhões de smartphones durante o ano de 2020, pelo menos é o que espera a empresa. Isso significa que se as previsões da empresa se concretizarem, indicará que os Estados Unidos conseguiram aquele que deve ser um dos seus principais objectivos: desacelerar o crescimento da Huawei. Os EUA estão convencidos de que o governo chinês pode usar os dispositivos da Huawei para fins de espionagem, apesar de nunca ter apresentado uma prova real de que isso realmente acontece.

A verdade é que em 2019 a Huawei vendeu mais de 240 milhões de smartphones em todo o mundo, e este ano aponta para um tecto de 200 milhões… que na melhor das hipóteses são menos 40 milhões do que no ano passado.

Uma coisa é certa, quem fica a perder no meio disto tudo são os clientes, que se vêm privados de excelentes equipamentos, que contam com uma excelente relação de qualidade e preço, por culpa de uma suspeita que até hoje não foi provada.

FONTE

Joel Pinto
 | Website

Fundador do Noticias e Tecnologia, e este foi o seu segundo projeto online, depois de vários anos ligado a um portal voltado para o sistema Android, onde também foi um dos seus fundadores.