Google reduz drasticamente as comissões cobradas na Play Store

Google reduz drasticamente as comissões cobradas na Play Store

21 Outubro, 2021 0 Por Joel Pinto

A Google prepara-se para reduzir drasticamente a comissão cobrada sobre certas categorias de aplicações distribuídas pela Play Store. Assim a comissão passa dos 30 para os 15% sobre todas as assinaturas, enquanto streaming de música e e-book são elegíveis para uma comissão que pode ir até aos 10%.

Em relação às assinaturas, até agora a comissão era de 30% no primeiro ano, depois cai para os 15% a partir do segundo ano, assim como na Apple. A partir de 1 de Janeiro de 2022, esta provisão salta e todas as aplicações de assinatura obterão 15% imediatamente.

Quanto às aplicações de streaming de música e livros digitais, na Play Store, a comissão pode cair de 15% para 10% (o streaming de vídeo não é afectado). No entanto, é necessário participar do programa Play Media Experience, que compromete as aplicações com o suporte aos recursos mais recentes das várias plataformas da Google (Android TV / Google TV, Wear OS, Google Cast, Chrome OS).

É difícil não associar essa generosidade à pressão de reguladores sofrida pela Google em todo o mundo, tal como a Apple. Estas novidades não alteram o programa lançado em Março passado pelo motor de pesquisa, que permite aos pequenos programadores beneficiarem de uma taxa de 15% consoante as condições de rotação.

Play Store

Google passa a cobrar menos comissão na Play Store

Um programa mais flexível do que o posto em prática pela Apple no final do ano passado, para esses mesmos pequenos desenvolvedores: do lado da Google, o desconto na Play Store é automático, e a comissão de 15% refere-se ao primeiro milhão de dólares gerado pela venda de apps, ou compras de aplicações; na Apple, também é um limite de um milhão de dólares, mas tem que se inscrever, e a renovação não é automática.

Desde então, a Apple tem aumentado os seus gestos de boa vontade, em apps de imprensa, por exemplo, ou autorizando links para lojas externas na web para apps de consulta. Para os programadores, isso é dinheiro extra no bolso, e para a Apple e Google, não nos preocupamos muito com as suas finanças.

FONTE