Novo teste de Benchmark confirma que o Nokia 9 PureView pode mesmo ser uma desilusão

Novo teste de Benchmark confirma que o Nokia 9 PureView pode mesmo ser uma desilusão

20 Fevereiro, 2019 0 Por Joel Pinto

O mercado de smartphones está ao rubro, e nos próximos dias vamos ter uma grande avalanche de smartphones a serem revelados. Isso vai acontecer, porque se aproxima a data da realização daquela que é a maior feira mundial, voltada para os smartphones, e estou a falar da Mobile World Congress, que como sempre se realiza na cidade de Barcelona,  este ano é de 25 a 28 de fevereiro.

A grande maioria das fabricantes usará a feira para apresentar os seus equipamentos. Sabemos que a Samsung vai apresentar a série Galaxy S10 e o seu smartphone com ecrã dobrável, e LG que vai apresentar o LG G8 e muito provavelmente o seu equipamento compatível com as redes 5G, a Oneplus mostrará o seu smartphone 5G, e podia fazer aqui uma lista, quase sem fim, do que está agendado para ser mostrado e lançado. Um dos maiores pontos de destaque da feira, é também o anuncio dos telefones que usam aquele que deverá ser, a partir daqui a alguns dias, o processador mais poderoso para smartphones, o Snapdragon 855. A Qualcomm já anunciou o seu novo processador há algum tempo, e praticamente todos os smartphones de topo lançados em 2019 chegarão com esse processador. Mas existem exceções, e todas elas com uma boa explicação: A Huawei não o fará porque tem o seu próprio processador, a Apple pelos mesmos motivos, e depois temos a Nokia, que aparentemente decide lançar um topo de gama em 2019, com um processador de 2018.

Pelo menos é o que confirma o mais recente teste do Geekbench do Nokia 9 PureView. Segundo os últimos testes na plataforma de benchmark, a HMD Global decidiu equipar o telefone com o Snapdragon 845, ao invés de usar a plataforma mais recente da Qualcomm.

Nokia 9 Geekbench

Como podem ver acima, o Nokia 9 deverá mesmo chegar com o Snapdragon 845, 6G de RAM e a executar o Android 9.0 Pie.

E porque considero o telefone uma desilusão? É sabido que a Nokia coloca todos os seus novos equipamentos no programa Android One, pelo que isso significa que a nível de software não haverá nada que o fará destacar-se da concorrência, pois o programa em questão não permite que se faça grandes alterações de sistema. Depois, a marca vai lançar em 2019 um smartphone que tem características muito semelhantes a dezenas de outros equipamentos que foram lançados há praticamente um ano. Sim, estou a dizer que o telefone chega com um ano de atraso. E acredito que um utilizador minimamente interessado e atento, não vá pagar uma pequena fortuna por um telefone em 2019 que tem características de um telefone de 2018, quando pelo mesmo valor compra outros equipamentos com Snapdragon 855. E nem acredito que os seus 5 sensores fotográficos na parte traseira, façam assim tanta diferença.