Análise Samsung Galaxy S22: O compacto do momento

Análise Samsung Galaxy S22: O compacto do momento

6 Março, 2022 0 Por Joel Pinto

No passado dia 9 de Fevereiro, a Samsung anunciou ao mundo os três novos smartphones da série Galaxy S22. Tive a oportunidade de ter um primeiro contacto com os 3 equipamentos alguns dias antes da sua apresentação oficial, mas após o seu anuncio, recebei o Galaxy S22, que estou a usar como o meu telefone principal desde esse dia.

E como já passaram algumas semanas que o estou a utilizar, chegou o momento de revelar a análise deste equipamento, o primeiro topo de gama da empresa Sul Coreana para o ano de 2022.

Em termos de design, o destaque deste Galaxy S22 é que o seu ecrã ocupa grande parte das evoluções, se comparado com o Galaxy S21. No entanto, ele conta com algumas outras diferenças, como um módulo fotográfico ligeiramente diferente, e que agora está envolto numa protecção metálica. Os furos para as lentes também são cavados aqui (ao contrário dos de alguns concorrentes que se destacam ainda mais). Mas onde notamos realmente a diferença, é no seu ecrã totalmente plano.

Os elementos técnicos foram colocados de forma idêntica aos do seu antecessor. Ou seja, o botão power e o controlo de volume estão posicionados na lateral direita. A porta USB tipo C, microfone, bandeja SIM e altifalante principal na parte inferior, enquanto o microfone secundário na parte superior. O leitor de impressão digital continua embutido no ecrã, e este ecrã está "perfurado" no centro superior para alojar o sensor selfie. E fone de ouvido está escondido entre o ecrã e o contorno de alumínio.

Há muitas semelhanças entre este Galaxy S22 e o Galaxy S21, mas há também algumas diferenças entre as duas gerações. A primeira mudança é visível nas bordas. A armação de metal não cobre mais apenas uma parte, mas todo o equipamento. Isso significa que o alumínio protege as extremidades da parte traseira do telefone (assim como protege o ecrã). Assim, o smartphone parece mais massivo, mais grosso e mais resistente. E para reforçar essa impressão, o Galaxy S22 adota um design menos “curvo” que seu antecessor. O smartphone perde as curvas laterais na traseira (que agora é completamente plano), mas também as curvas das laterais, que agora são quase rectas. Isso dá a este modelo uma aparência bem ao estilo do iPhone, quando visto de lado.

O Galaxy S22 parece mais grosso que o Galaxy S21, mas essa é uma falsa impressão. De facto, o Galaxy S22 é significativamente menor que o S21, seja em altura, largura e altura. Perde 5,7 mm de altura, 0,6 mm de largura e 0,3 mm de espessura. No entanto ele é mais pesado. Quanto? 2 gramas, e isso deve-se principalmente ao aumento da massa de alumínio utilizada, bem como a mudança no material usado na traseira. É que neste novo modelo a Samsung já não utilizou o policarbonato, e utilizou vidro mineral, mais precisamente, o Gorilla Victus+, tal como na frente. E atenção, a Samsung não oferece qualquer protector de ecrã pré-instalado, porque afirma que já não se justifica.

E tal como já tinha revelado, este Galaxy S22 é significativamente menor que o seu antecessor. A diferença é mais acentuada na altura do que na largura, e isso não significa que o ecrã seja muito mais pequeno. mas que a sua proporção mudou um pouco, ou seja, passou de 20:9 para 19.5:9 . Portanto, é mais fácil chegar ao topo do ecrã do que com o Galaxy S21, e até o Galaxy S20.

Mas se o que lhe interessa é o tamanho do ecrã, então fique a saber que ele também muda. Agora temos um painel Dinamic AMOLED 2X de 6,1 polegadas com a resolução FullHD+, com 2340x1080 pixeis, que lhe confere uns excelente 421 pixeis por polegada. A sua taxa de refrescamento é variável entre os 48 e os 120Hz (se quiser pode forçar a 60Hz). E este é garantidamente o melhor ecrã que alguma vez utilizei num smartphone. É impressionante a sua qualidade, e mesmo sob condições solares directa, não temos qualquer dificuldade em perceber o que por lá se passa.

Ao ligar o smartphone pela primeira vez, temos a nova interface Android da Samsung: o One UI 4.1, que é baseada no Android 12. Ou seja, temos a versão mais recente do Android e a actualização mais recente do One UI. Isso não é surpreendente, mas é sempre bom ver que a Samsung cuida dos seus clientes, mesmo quando eles escolhem o Galaxy S mais barato.

Encontramos nesta interface todos os fundamentos da One UI, interface muito completa e muito fornecida, e que por diversas vezes já admiti ser grande fã. Tudo funciona muito bem, de forma suave e subtil, e conta com tudo aquilo que a Samsung já nos habituou. No momento em que esta análise está a ser escrita, já conta com os patch de segurança de Março de 2022... melhor é impossível.

Uma das novidades deste novo Galaxy S22 é o seu processador, que é o novo Exynos 2200 (aqui acompanhado de 8GB de RAM), o primeiro SoC da Samsung integrando um GPU desenvolvido pela AMD, que é chamado de Xclipse 920. Ele baseia-se na arquitectura RDNA2, como os GPUs da PlayStation 5 e da Xbox Series X. Teoricamente, isso promete uma boa melhoria gráfica em relação ao Mali-G78 MP12 do Exynos 2100. Além disso, a Samsung actualizou os núcleos do seu SoC, e agora utiliza o Cortex-X2 para o núcleo mais poderoso, Cortex-A710 para núcleos de média potência e Cortex-A510 para os núcleos mais eficientes em termos de energia. As frequências de uso desses núcleos são inferiores às dos núcleos do Exynos 2100. Mas a ênfase está claramente na optimização e não no aumento do desempenho.

O que lhe deve interessar é conhecer o desempenho do Galaxy S22, e se comparado com o Galaxy S21, o desempenho geral deste Galaxy S22 é superior. No AnTuTu, este smartphone ultrapassa os 900.000 pontos, e este é o primeiro equipamento que testo que passa essa barreira. Sá a titulo de curiosidade, o Galaxy S21 fazer cerca de 630.000 no mesmo teste.

O que é que isso significa? Simples, pode jogar tudo e mais alguma coisa, sem ter qualquer problema de desempenho. E o mesmo é válido para qualquer aplicação que possa executar com este equipamento. Nada o fará vacilar, tudo é executado de forma excelente e sem engasgos.

Mas há um ponto que gostava de falar, quando jogamos jogos mais pesados, como o Call of Duty Mobile, PUBG Mobile, ou outros, o telefone tende a aquecer ligeiramente. Não é um aquecimento excessivo, mas nota-se que a traseira fica um pouco mais quente que o habitual.

A estratégia da Samsung para o Galaxy S22 está focada em manter a temperatura interna do telefone abaixo de um determinado limite, e por vezes reduz o poder de desempenho do mesmo para que esse limite não seja atingido. Mas esse aquecimento tem algum impacto na autonomia? Antes de responder a esta pergunta, fique a saber que o Galaxy S22 conta com uma bateria de 3700mAh. E essa escolha pode ser surpreendente. De facto, com um ecrã muito mais brilhante que o seu antecessor, e um processador igualmente poderoso, podemos temer uma queda drástica na autonomia do Galaxy S22 em relação ao S21. Há, no entanto, dois elementos interessantes. A primeira é a finura de gravação do Exynos 2200: 4 nm, a promessa de um consumo mais controlado e um desempenho optimizado. A segunda é a estratégia da Samsung que acabamos de ver: limitar o desempenho do GPU para reduzir o excesso de calor (e perda de energia).

No uso padrão, terá uma queda muito pequena na autonomia. O Galaxy S22 consegue durar um dia inteiro em uso normal, mas não muito mais. E isso é normal: o Exynos 2100 do Galaxy S21 também não consumia muito quando era usado apenas para navegar na internet, redes sociais, aplicações de mensagens e streaming de conteúdo. Com uso mais intenso, confesso que tive algumas dificuldades em ter autonomia para o dia inteiro.

E quando a bateria estiver a ficar descarregada, teremos de a carregar. Agora finalmente temos um carregamento rápido de 45W, juntando-se assim aos modelos Ultra (S20 Ultra, Note 20 Ultra, S21 Ultra e S22 Ultra). Alem disso, temos suporte para o carregamento sem fio de 15W com equipamentos Qi e PMA.

No entanto, o Galaxy S22 não vem com carregador compatível com essa potência, nem com essa, nem com nenhuma, já que ele não vem com carregador na caixa. Se tiver um carregador de outra marca, verifique se é compatível com USB tipo C, pois o cabo fornecido pela Samsung não é compatível com USB tipo A (caso contrário, use outro cabo).

Se tal como eu não tiver um carregador compatível, e tiver um carregamento rápido de 22,5 watts, a velocidade de carregamento ainda é decente. Isso recarrega 50% da bateria do Galaxy S22 em cerca de 39 minutos e 100% em 117 minutos. Não é o melhor do mercado, mas não é mau. Mas se comprar um carregador que aproveite totalmente a velocidade de carregamento, deverá conseguir 50% de bateria em cerca de 23 minutos, e 100% em cerca de 50 minutos.

Um dos pontos mais interessantes quando compramos um smartphone, é a qualidade fotográfica. O sensor principal de 12MP do Galaxy S21, com os seus pixeis de 1,8 mícron, deram lugar a um sensor ainda maior, com 50MP, onde cada pixel mede 1 mícron. Eles são combinados quatro por quatro para formar um grande pixel de 2 mícrons que capturará ainda mais luz. Um foco automático Dual Pixel está integrado. A lente vai de uma distância focal de 26 a 24 mm, ou um ângulo maior. E a abertura permanece em f/1.8 . Esta óptica é estabilizada de forma convencional.

Galaxy S22

O último sensor é o mesmo que temos no Galaxy S21 e no S20, um sensor de 12MP (pixel de 1,4 mícron) com abertura ultra grande angular de 120° e f/2.2. Na frente, também encontramos o sensor selfie das duas gerações anteriores do Galaxy S, ou seja, um sensor de 10MP, com foco automático Dual Pixel, abertura da lente em f/2.2.

No geral, o Galaxy S22 tira fotos excelentes, com um bom trabalho de equilíbrio e nitidez . Os detalhes são muitos, e a colorimetria é respeitada, bem como o contraste. Seja sob luz solar dirceta ou quando as condições são menos claras, as luzes de fundo são boas. E o disparo é rápido o suficiente, oferecendo resultados nítidos mesmo com objectos em movimento.

À noite, o sensor infelizmente perde alguma qualidade, e tende a perder consideravelmente em precisão. O modo nocturno está lá para fornecer mais controlo sobre o nível de luz, acentuar contrastes e revelar detalhes nas sombras. No entanto, teremos algumas imagens com "grão" e a foto não conta com a mesma nitidez. E confesso que esta é a pequena decepção do Galaxy S22. Em algumas situações, o benefício do modo nocturno chega a ser insignificante.

No entanto, a lente teleobjetiva com zoom óptico de 3x é uma mudança muito bem vinda para este produto. Esse é o grande ponto forte do Galaxy S22 em relação ao seu antecessor. Esse zoom óptico tira boas fotos durante o dia, permitindo que aborde perfeitamente um assunto. O zoom digital de 20x ainda é bom o suficiente para ser usado, e é um verdadeiro sucesso. O zoom de 30x mostra os limites do sensor, mas mesmo com este último, o resultado é muito melhor do que com outros smartphones que oferecem essa proporção (ou até uma proporção um pouco menor).

Infelizmente à noite, o resultado volta a não ser tão bom como no sensor principal. As texturas também são menos precisas, com detalhes mais granulados e falta de brilho. Obviamente, o zoom digital não é tão bom, e a proporção de 10x ainda permite distinguir o assunto. Mas não espere nada além disso, mesmo com o modo nocturno activo.

No entanto, tanto o sensor principal como o sensor com lente telefoto são responsáveis ​​pelos retratos (com um retrato mais próximo com a lente 70mm). São elegantes, com bom recorte e um belo efeito bokeh. Efeito que pode acentuar, ou suavizar, posteriormente na aplicação de Galeria.

O sensor ultra grande angular não oferece resultados diferentes dos anos anteriores… e de muitos concorrentes. Um pouco menos brilhante e um pouco menos preciso. De dia, não é importante, felizmente. As distorções são bem geridas, e é pena que ainda não há foco automático aqui para focar em assuntos em primeiro plano. Alguns concorrentes oferecem esse tipo de equipamento com módulos de ultra grande angular, e está na hora da Samsung fazer o mesmo.

À noite, o resultado é menos qualitativo, com uma perda muito nítida de brilho e nitidez. As fotos são granuladas e às vezes inutilizáveis. Sem estabilizador, esse sensor oferece fotos que costumam ficar desfocadas quando o modo nocturno é activado. Uma pena, porque o último geralmente compensa grande parte dessas preocupações com o brilho.

Não podia deixar de falar no sensor selfie, já que ele faz bons auto-retratos, tanto de dia como de noite. O corte é bom com o modo retrato, e com os efeitos bokeh. O seu contraste é forte, e há muito pouco tratamento na pele do rosto, oferecendo um resultado bastante natural. À noite, há uma ligeira perda de finesse nas texturas. Até o sensor selfie é vítima desse pequeno problema que geralmente afecta todas as fotos nocturnas.

Por fim, uma palavra sobre o vídeo. O Galaxy S22 oferece uma boa experiência neste exercício, com fotos contrastantes, fluidas e brilhantes. Ela grava até 8K a 24fps ou 4K a 60fps. Possui um modo “Super Steady”, um modo de câmara lenta (e super câmara lenta a 960 frames por segundo) e um modo de câmara rápida.

Temos também alguns modos divertidos como o Single Take, que captura vídeo e pode extrair fotos dele adicionando filtros, ou o “Director's View” que captura a parte de trás e a frente do telefone ao mesmo tempo. Um modo de vídeo profissional é adicionado a isso para trazer um pouco de subtileza nas configurações para especialistas, que não é o meu caso, e utilizadores mais experientes.

Veredicto Final Samsung Galaxy S22

Apesar das poucas falhas que encontrei durante este teste, o Galaxy S22 é um excelente smartphone. Possui um belo ecrã, uma interface completa, um design que inspira confiança e um conjunto de sensores fotográficos de boa qualidade. No geral, este pequeno smartphone é amplamente comparável ao iPhone 13, em que alguns pontos fica à frente do mesmo, e em poucos fica abaixo.

As duas principais falhas do Galaxy S22 dizem respeito ao seu processador e à energia, seja no consumo ou na recarga. Esperava um pouco melhor do Exynos 2200, principalmente em termos de gráficos, mesmo entendendo o objectivo da restrição: reduzir o risco de superaquecimento e limitar a queda na vida útil da bateria. Confesso que estou um pouco decepcionado com a capacidade da bateria, que caiu este ano, enquanto o carregamento continua a ser um problema, e já estou habituado a algo muito mais rápido (da concorrência). E o carregador que não é mais fornecido, degradando ainda mais a experiência.

Voltamos às questão mais pertinente: o Galaxy S22 é um bom smartphone? sem qualquer duvida. É melhor que o Galaxy S21? Se não considerarmos o S21 Ultra, sem qualquer duvida. Mas se tem um Galaxy S21, ou até mesmo o Galaxy S20, a minha sugestão é que se mantenha com ele, já que o ganho não me parece ser assim tão significativo que justifique o investimento, a não ser que o seu equipamento já esteja com algum problema. Claro, pode querer tirar proveito do novo zoom óptico, já que esse é seu único argumento.

Como tal, a minha nota para este Samsung Galaxy S22 é a segunda maior que posso dar (4 estrelas em 5 possíveis):

Já deixou o seu like na nossa página do Facebook e do Instagram? Receba toda a informação em primeira mão. Siga-nos também no Google Notícias, basta seleccionar-nos entre os seus favoritos clicando na estrela.