Análise Samsung Galaxy A71: Muito mais que um telefone de gama média

26 Março, 2020 0 Por Joel Pinto

A série Galaxy A, da Samsung, está cada vez melhor, e é por esse motivo que sou um fã confesso dessa série de equipamentos. Já tive a oportunidade de testar alguns equipamentos dessa série, e todos eles superaram a expectativa que tinha sobre eles. Um desses equipamentos, foi o Galaxy A70, um smartphone que testei no verão do ano passado, e conforme podem ler aqui, o que não faltaram foram elogios ao mesmo. Agora, tive a oportunidade de testar o seu sucessor, o Galaxy A71, mas será que ele consegue superar o seu antecessor? É isso que vamos ver.

Análise Samsung Galaxy A71

Este novo Galaxy A71 chega com o mesmo DNA do seu antecessor, embora um pouco mais musculado e com alguns ajustes adicionais. Algumas das especificações são semelhantes, pois ele conta com um ecrã do mesmo tamanho, com 6,7 polegadas equipado com um leitor de impressões digitais e uma bateria de 4.500mAh. No entanto, neste novo smartphone temos mais um sensor fotográfico e um processador mais poderoso.

Se conta com um Galaxy A70, a minha opinião pessoal é que não se justifica a troca para um A71, mas os recursos actualizados tornam este um dispositivo bem melhor que aquele que possuem.

Design e ecrã

Não existe outra forma de o dizer: este Samsung Galaxy A71 é um smartphone bonito. O design do ecrã com as margens curvadas é ainda melhor com o seu acabamento brilhante premium, fácil de segurar e muito agradável de se ver. O padrão na parte de trás também confere uma personalidade lúdica. A versão que testei tem a cor Branco Prisma que vos posso garantir ser elegante e divertida.

Na parte traseira temos um "deck" quadrado para abrigar as suas quatro câmaras. De certa forma, este "deck" retira alguma da aparência elegante do telefone, mas considerando que telefones de topo contam com o mesmo (por exemplo o Galaxy S20 ou o iPhone 11), vamos considerar que este tem um design da moda, mas que confesso que não gosto.

O mais impressionante, no entanto, é o seu ecrã Super AMOLED de 6,7 polegadas (com proteção Gorilla Glass 3), que tem uma resolução FullHD+ com 2.400 x 1.080 pixeis, com a proporção de 20: 9 que lhe confere uma densidade de pixeis de  393ppi. E este ecrã é realmente óptimo, como em praticamente todos os telefones da Samsung, com cores agradáveis ​​e brilhantes, e brilho mais do que suficiente para trabalhar sob luz solar directa.

A diferença deste ecrã para o ecrã do A70, tem haver com o entalhe em si. Enquanto que o telefone do ano passado conta com um entalhe em forma de gota d'água, o A71 possui o famoso Infinity-O, ou seja um pequeno furo no ecrã para alojar a sua câmara frontal, localizada na parte superior central, muito semelhante ao Galaxy Note 10. Sinceramente, fica bem e não é muito intrusivo. Ainda no ecrã, temos um sensor de impressões digitais, que tenho o prazer de informar que funciona de maneira extremamente rápida e precisa.

No entanto, existe uma desvantagem neste design, é que ao contrário do que possa parecer, ele tem um acabamento em plástico, de boa qualidade, mas é plástico. Já era de esperar que a Samsung evitasse o uso do metal e do vidro neste telefone, e é aqui que a Samsung ganha alguma margem se comparado com os topos de gama.

No entanto, o telefone é extremamente fino e leve, já que ele tem 163.6 x 76.0 x 7.7mm e pesa 179 gramas.

Fotografia

Este é o maior ponde de destaque deste equipamento, muito por culpa da sua configuração com quatro sensores fotográficos na parte traseira. O seu sensor principal conta com 64MP, que é acompanhado por umsensor ultra grande angular de 12MP, uma sensor macro de 5MP e uma o quarto é um sensor de profundidade com 5MP.

Para ser simples e directo: a sua câmara principal tira fotos brutais. Com ela obtemos imagens bonitas e detalhadas ao fotografar à luz do dia, com boa faixa dinâmica e excelentes contrastes. As cores são vivas e as esperadas, saturadas, mas não a ponto de agravar. Não encontro nenhuma falha aqui, mesmo que não se destaque particularmente em nenhuma área. Mas é um sensor sólido e faz muito bem o seu trabalho, e é excelente tendo em conta que estamos com um dispositivo de gama média.

Também gosto muito da sua câmara ultra larga de 12MP, ele também fornece bons detalhes e nitidez, e não possui redução de ruído excessivamente compensadora. O sensor macro de 5MP também funciona muito bem, embora seja necessário acostumar-se a considerar que ele tem um foco fixo, o que exige que obtenha a distância perfeita e correta para conseguir tirar boas fotos com o mesmo. Para mim, não é um problema muito grande, mas até se habituar ao mesmo, certamente terá algumas fotos borradas.

Pode parecer surpreendente, mas também fiquei muito feliz em vez que este equipamento tem um bem desempenho em fotos tiradas em condições de pouca luz. Algo que não é muito habitual num telefone desta gama. As filmagens no modo nocturno mostram bons detalhes e mantêm o ruído baixo. O recurso também é estendido para o sensor de grande angular, portanto, mantenha-o activado quando sair para tirar algumas fotografias nocturnas.

Quanto à câmara frontal, é uma câmara de selfie capaz. Vai conseguir activar um modo de grande angular que amplia um pouco o frame para as selfies em grupo. Trata-se de um sensor de 32MP que fornece bons detalhes e contraste. Não é proporcional à qualidade das câmaras traseiras, mas garanto-lhe que não o vai deixar ficar mal.

Em suma, as câmaras funcionam muito bem, e posso garantir-vos que já testei alguns topos de gama em que as câmaras não eram tão boas como a deste telefone de gama média. E estou curioso para saber a pontuação do DxOMark para o Galaxy A71.

Desempenho e Software

Em relação ao software do Samsung Galaxy A71 não há muito a dizer, pois ele chega com a OneUI 2.0 que é baseada no Android 10. E para quem bem se lembra este foi durante muito anos o calcanhar de Aquiles da Samsung. Foram tantas as vezes que a critiquei quando usava a TouchWiz. Confesso que muitas vezes deixei de adquirir smartphones da Sul Coreana por causa do firmware. Hoje é precisamente o oposto, conta com a OneUI, que a meu ver é uma das melhores interfaces do sistema operativo Android. Continuo a ser fã do Android no seu estado puro, mas na sua falta, a OneUI é realmente a minha favorita.

Como esta interface é baseada no Android 10, não podia faltar o  Modo Escuro. Ele cobre os elementos da interface em preto e tons de cinza escuro, além de activar automaticamente os modos escuros das aplicações suportadas.

Mas tudo isto é muito fluido, porque no seu interior temos um excelente processador da Qualcomm, o Snaprdragon 730. E aqui está um dos maiores upgrades se comparado com o Galaxy A70, que é equipado pelo Snapdragon 675. O Snapdragon 730 possui núcleos de CPU e GPU mais recentes e deve ser mais eficiente em termos de energia. Esse chip é acompanhado por uns mais do que suficientes 6 GB de RAM LPDDR4. Se está a questionar como ele se comporta em jogo, fique a saber que é excelente. Jogos como Call of Duty Mobile, PUBG Mobile, Fortnite, e muitos outros, correm maravilhosamente bem, sem engasgos e com uma qualidade brutal. O desempenho deste smartphone nos jogos, se comparado com os topos de gama, não se nota diferente praticamente nenhuma nos gráficos.

No entanto, reparei que ao fim de algum tempo de jogarmos esses jogos mais pesados, o telefone tende a aquecer mais do que um topo de gama. Não é um temperatura que não permita ter o telefone na mão, nem que te obrigue a desligar o telefone, mas esse aquecimento é evidente, e tinha de o referir aqui.

A quantidade de armazenamento interno também não é o problema, já que ele chega com 128GB de armazenamento interno, em que desses 128GB, cerca de 106GB estão disponíveis para o uso do utilizador. Se ainda assim não chegar, temos um slot para cartões MicroSD de até 512GB.

Bateria

Como se trata de um bom dispositivo para jogos e multimédia, a Samsung teve de equipar este telefone com uma bateria decente. Por isso é que o Galaxy A71 vem com uma unidade não removível de 4500mAh, que dura muito facilmente um dia inteiro de uso, mesmo que jogue muitas vezes durante o dia. Com uso intenso, foi raro o dia em que cheguei ao fim do dia com menos de 30% de bateria. Mesmo com muitos jogos, 4G e WIfi sempre ligado, muitas redes sociais, emails e consultas na Internet.

Se ficar sem bateria, isso é facil de resolver, ele tem o super carregamento rápido de 25W, que carrega a bateria do equipamento dos 10 aos 100% em pouco mais de 70 minutos. Se tiver com pressa, 30 minutos são suficientes para carregar 50% da bateria.

Som

Como já tinha referido anteriormente, este é um excelente dispositivo para multimédia,  o seu altifalante (sim não é stereo) soa de forma clara e alta o suficiente. Temos também uma porta de 3,5 mm para os fones de ouvido.

Veredicto Final

O Samsung Galaxy A71 é provavelmente o melhor smartphone de gama média que já testei. Não estou a ter em conta o seu preço mas aquilo que ele tem para oferecer. Ele cumpre muito facilmente tudo aquilo que promete, e tirando o facto do seu acabamento ser em plástico não vejo outros pontos negativos.

Desde o seu excelente ecrã, passando pelo desempenho muito sólido do seu processador e memoria, e as excelentes fotos que ele consegue tirar, este é garantidamente um excelente telefone de gama média alta. É bom para jogos, é bom para multimédia, é bom para redes sociais. Resumidamente: O Samsung Galaxy A71 é um dos telefones mais equilibrados do mercado.

Ajude-nos a crescer, visite a nossa página do Facebook e deixe o seu gosto, para ter acesso a toda a informação em primeira mão. E se gostou do artigo não se esqueça de partilhar o mesmo com os seus amigos. Siga-nos também no Google Notícias, selecione-nos entre os seus favoritos clicando na estrela.