Análise Returnal: Um exclusivo PlayStation 5

Análise Returnal: Um exclusivo PlayStation 5

10 Maio, 2021 0 Por Joel Pinto

Como devem ter percebido pelo titulo deste artigo, ele é dedicado à nossa análise ao jogo da Housemarque, que é um exclusivo para a PlayStation 5, o Returnal. Para quem não conhece a Housemarque, é um estúdio finlandeses que ficou muito conhecido pelos seus shooters, como Super Stardust HD, Dead Nation ou Nex Machina, e que neste novo jogo conseguiram, mais uma vez, fazer algo verdadeiramente surpreendente.

Neste jogo de tiros em terceira pessoa, os jogadores controlam a heroína, Selene. Uma astronauta da empresa Astra, que cai no planeta Atropos. Sozinha e desarmada, ela decide ir ao fundo da cavernas escuras, e hostis, em busca de um sinal emitido por um farol. Muito rapidamente, ela descobre um cadáver, que ao seu lado tem a sua pistola, e descobre com terror que esse corpo é dela mesmo. Então, entendemos que Selene está presa num loop temporal. Sim, cada morte leva-a de volta ao local do acidente. Será necessário ir até o final da aventura, cruzar sem perecer os seis níveis (biomas) do jogo para quebrar o ciclo. Como pode imaginar, esses territórios são povoados por criaturas, cada uma mais perigosa, e aterrorizante, que a outra.

Returnal

O Housemarque incluiu elementos desonestos na forma de uma geração semi-procedural de níveis. Com cada ressurreição Lunar, o mundo de Atropos muda. A partir de um vasto catálogo de conjuntos pré-calculados, o jogo reorganiza o seu espaço: uma passagem do ciclo anterior desapareceu, um atalho que descobriu afinal já não existe, uma porta que estava ali e afinal já lá não está, etc. Da mesma forma, os inimigos são recolocados em diferentes posições, tal como a sua quantidade. Uma dificuldade adicional para um jogo decididamente hardcore que ignora o “save”: se cair numa batalha no meio do segundo bioma, o reset leva-o de volta ao local do acidente. Aliás, o jogador perde todo o seu arsenal, e grande parte das melhorias adquiridas. Esses (numerosos) retornos à estaca zero impactam a progressão, tornando-o extremamente demorado.

Returnal é severo, brutal e muito punitivo.

No início do jogo, uma janela avisa: está a embarcar num jogo com jogabilidade exigente. A fórmula é mais do que eufemística: Returnal é severo, brutal e muito punitivo. Os ataques exigem uma precisão milimétrica acompanhada de desvios feitos no momento certo. A maioria dos inimigos encontrados em Átropos são particularmente assustadores, os programadores do estúdio certamente foram inspirados por criaturas marinhas, répteis e aracnídeos. Enfeitados com numerosos tentáculos, eles sublinham a discreta referência aos grandes, e antigos, do escritor HP Lovecraft. Derrotá-los é um grande desafio. Eles são muito móveis, e os seus ataques à distância são devastadores: cortinas de projécteis, jactos de ácido ou globos explosivos… temos de tudo.

Para ter sucesso, o jogador precisa de saber como desenvolver a estratégia certa numa fracção de segundo, ser ultra-responsivo e antecipar os padrões dessas criaturas hostis. Uma vez que a garra é obtida, os confrontos ganham em verticalidade e a altitude oferece outra via de recuo. As lutas dos boss, por outro lado, são simplesmente assustadoras. A cada corte nas suas (enormes) barras de vida, esses monstros gigantescos começam a mudar a sua forma de ataque, tanto em velocidade como em intensidade. É necessário acumular as tentativas de conhecer todos os seus padrões e equipar-se adequadamente

No total são disponibilizadas 10 armas básicas, e todas elas têm tiros secundários para desbloquear, e características (dano, precisão, etc.) que podem ser melhoradas em três níveis. É preciso muita tentativa e erro para encontrar aquela que mais se adapta ao seu estilo de jogo, e acima de tudo aos inimigos que precisa eliminar. Observe que, além da sua barra de vida, Selene tem um medidor de adrenalina. Ele enche-se à medida que as eliminações são bem-sucedidas, sem receber danos. Quando estiver cheio, pode usá-la para aumentar a sua força de ataque, e receber um bónus de protecção. Durante a sua jornada, Selene descobre os restos, ricos em artefactos, de uma antiga civilização alienígena.

Returnal

Alguns são feitos com a ajuda de “fabricantes” que transformam os obólitos amarelos recolhidos por Selene durante a sua jornada. Outro recurso chamado Ether podem ser usados para obter artefatos e também para recuperar consumíveis, ou equipamentos dos corpos de outros membros do Astra, que morreram em combate (se o modo online estiver activado).

Parasitas são o último tipo de “engrenagem” que o Selene pode usar. Um organismo simbiótico que se liga ao corpo e lhe concede bónus de ataque. Mas cada melhoria feita vem com uma contrapartida. Por exemplo, ele dobrará o seu poder de fogo com a condição de que terá de ficar parado.

Observe que, a cada morte, artefatos e armas são perdidos, quase não há melhoria persistente no Returnal. Esta é a sua grande diferença de outros rogue-like, uma escolha que às vezes dá à progressão um lado ingrato.

Returnal trailer

Veredicto Final

Confesso que tinha algumas dúvidas em relação ao Returnal, até o ter começado a jogar. Depois disso, o difícil é parar, já que ele oferece tanto valor, e acima de tudo, muito entretenimento. A Housemarque conseguiu criar uma atmosfera como poucos conseguiram, e criou um universo maduro para expansão, que é brutal e gratificante ao mesmo tempo.

No entanto, é não estarei a mentir, Returnal é destinado a jogadores experientes, amantes de desafios extremos. Está longe de ser apenas um bom shooter, ele carrega uma narração controlada que faz com que o jogador queira perseverar para descobrir o fim da história. É certo que requer muito esforço, mas será recompensado. Do ponto de vista puramente técnico, o jogo da Housemarque dá uma ideia do potencial da nova consola da Sony, e não me parece que com a PlayStation 4 Pro, este jogo conseguisse alcançar esse nível de excelência.

A nossa nota para este jogo é:

O jogo foi-nos gentilmente fornecido pela PlayStation Portugal para que fosse possível fazer esta análise, e já está disponível na PlayStation Store.