Análise Pokémon Brilliant Diamond: Mais um exclusivo Nintendo Switch

Análise Pokémon Brilliant Diamond: Mais um exclusivo Nintendo Switch

20 Dezembro, 2021 0 Por Sandro Sotto

Muita coisa mudou desde o lançamento original do Pokémon Diamond e Pearl, que lançado em 2006 no Japão, e em 2007 nos restantes mercados. Esses 2 jogos foram a primeira entrada da franquia no rolo compressor cultural da Nintendo DS, e duas grandes melhorias chegaram com eles.

Agora, em pleno 2021 foram lançados 2 remakes desses títulos, os Pokémon Brilliant Diamond e Shining Pearl, e como devem ter percebido pelo titulo deste artigo, ele é reservado para a análise a um deles, ao Brilliant Diamond.

Brilliant Diamond e Shining Pearl permitem que refaça batida por batida os passos dos jogos originais, eles próprios ainda fixados nos moldes da série na época. Neste jogo pega um Pokémon inicial de um professor próximo a uma cidade, viaja pela região enquanto monta uma equipe, desafia os líderes locais do Ginásio, preenche o seu Pokédex, impede uma organização maligna, e até encontra algumas divindades ao longo do caminho. Tudo isso num dia de trabalho para um treinador Pokémon. As diferenças entre as duas versões são, como sempre, mínimas, com cada uma a obter alguns Pokémon exclusivos indisponíveis na outra.

O enredo e a caracterização permanecem escassos, mas isso nunca impediu o mundo dos Pokémon de atrair jogadores, graças à inegável potência da sua mecânica central. Felizmente, o sistema baseado em turnos, menos simples do que parece, do Pokémon está vivo e funciona em Brilliant Diamond. Na verdade, para muitos jogadores, a forma como esses jogos específicos voltam a um conjunto de ferramentas mais simples pode ser muito bem-vinda.

Nos últimos anos, o sistema de batalha do Pokémon foi inundado com novos recursos para níveis variados de sucesso. Estes remakes trocam adições mais chamativas como 'Mega Evolution' e 'Dynamaxing' pela fórmula básica de pedra / papel / tesoura que muitos jogadores podem recontar de olhos fechados.

Este ciclo continua satisfatório como sempre, com a região de Sinnoh dos jogos a oferecer muitos Pokémon para capturar, e treinar, a fim de construir uma equipa única do jeito que mais gostar - talvez tentando um Pokémon totalmente novo ou construindo um esquadrão que funcione em harmonia com os seus favoritos. Se os estilos mecânicos mais simples dos jogos originais da DS fizeram bem a transição para a Nintendo Switch, o mesmo não pode ser dito para a Brilliant Diamond.

Muito ruído foi feito quando o primeiro trailer do jogo foi lançado no início deste ano, com muitos fãs a reagir negativamente ao estilo fofinho, e inspirado, no chibi dos designs dos personagens, bem como ao visual relativamente simples dos ambientes.

As escolhas feitas pela ILCA são claramente supostamente para nos lembrar os visuais originais da Nintendo DS, mas infelizmente quando renderizados com suavidade, as figuras e as texturas planas perdem o charme agitado desses jogos. Isso torna-se mais evidente quando o jogo amplia os modelos de personagens para vários momentos de diálogo, com os designs estilizados a exagerar de uma forma que (embora às vezes fofa) pode parecer um pouco diferente das palavras no ecrã - especialmente quando está a falar com figuras mais sinistras como o grandalhão Cyrus, cujo plano de destruição global ainda está entre os momentos mais sombrios da série.

As deficiências visuais de Brilliant Diamond também aparecem nos ambientes do jogo. A região de Sinnoh, onde acontecem as suas aventuras, é uma das mais interessantes geograficamente que a série Pokémon já se originou, com os seus caminhos nas montanhas rochosas, campos nevados e cidades agitadas.

Esses recursos não aparecem quando tratados com as escolhas de design suaves desses remakes, embora a adição de uma nova iluminação dinâmica comece a comunicar algo específico sobre cada área que visita. As áreas onde os remakes abrem novos caminhos são, pelo menos, mais interessantes. Brilliant Diamond expande os recursos do Underground dos jogos originais, apresentando um enorme labirinto de túneis ligados entre si, e cheios de tesouros para os jogadores desenterrarem.

É também nesses túneis que os jogadores interagem com alguns Pokémon mais raros, que aparecem em zonas específicas espalhadas por toda parte, e também onde podem construir e personalizar os seus próprios 'esconderijos'. Essas bases secretas podem ser visitadas por amigos online, e os acréscimos cosméticos que os jogadores fazem podem impactar os Pokémon que encontram nos túneis à sua volta.

Pokémon Brilliant Diamond

Veredicto Final Pokémon Brilliant Diamond

Em última análise, é difícil não comparar todos os jogos de Pokémon, especialmente um remake como este. Não apenas o Brilliant Diamond (ou o Shining Pearl) que infelizmente falham em capturar a magia dos jogos originais, e ficam aquém quando comparados com o histórico da The Pokémon Company.

No entanto, o Pokémon Brilliant Diamond pode ser recomendados para todos os fãs obstinados dos jogos originais. Felizmente para os fãs mais novos da série, existem muitos outros jogos Pokémon muito melhores para explorar, e infelizmente para mim, este deixou um pouco a desejar.

Como tal, a nota que dou ao jogo é:

O código do jogo foi-nos gentilmente fornecido pela Nintendo Portugal para que fosse possível fazer esta análise.