Análise God of War: Ragnarök - Não tem como não gostar

Análise God of War: Ragnarök - Não tem como não gostar

4 Novembro, 2022 0 Por Joel Pinto

God of War: Ragnarök está a chegar e com ele chegam Kratos e Atreus, que estão de volta para novas aventuras, pois estão a sofrer de tédio, já que estavam afastadas das mesmas desde 2018, que os impulsionou para a mitologia nórdica completa. Os dois heróis estão de volta ao curso da sua história, alguns anos depois, quando Fimbulvetr desce sobre os nove reinos e Ragnarök e ameaça matar todos os deuses Aesir.

Como se nunca tivéssemos saído de Midgard, a Sony oferece-nos para voltar ao movimento com esta obra, que pretende ser uma conclusão da saga nórdica. Como esperado, o estúdio promete-nos um final grandioso e, dado o legado deixado pela obra anterior, a tarefa é difícil.

Mas será que God of War Ragnarök conseguiu aquecer nossos corações? É isso que vamos ver, já que estamos a jogar o jogo há algum tempo na PlayStation 5 e mereceu a nossa maior atenção.

God of War: Ragnarök - Provavelmente o jogo do ano

Pode não acreditar, mas os trailers até agora disponibilizados têm sido bastante discretos sobre a estrutura geral do jogo, e como deve imaginar vou abster-me de fazer comentários sobre esse assunto para que descubra a história por si mesmo. Deve-se notar que God of War Ragnarök serve-nos um prato extremamente apetitoso, que se revela, depois de apenas alguns minutos, um prato ainda mais delicioso do que aquilo que realmente parece.

Kratos e Atreus estão de volta aos negócios de onde pararam e veem-se confrontados com personagens que estão a voltar para muitos, ou que descobrimos impacientemente para alguns. No geral, não estamos realmente a sair da nossa zona de conforto com este novo jogo. A Sony suporta-se, e bem, em fundações extremamente sólidas e seria um erro privar-se da eficácia do jogo mais recente. Normalmente, essa falta de originalidade é suficiente para nos afastar. No caso de God of War Ragnarök, fiquei surpreso ao apreciar acima de tudo essa familiaridade, como um velho amigo que encontramos após anos de ausência.

Para aperfeiçoar a experiência, o estúdio ainda oferece um resumo do jogo anterior, uma atenção delicada que rapidamente faz-nos fazer um regresso ao passado (para quem jogou o jogo anterior). E isso é bom porque literalmente entramos na onda, e isso desde a primeira hora de jogo.

A intensidade e a duração das cenas cinematográficas são aspetos que podem adiar algumas delas, já que o jogador é colocado numa posição bastante passiva, pelo menos durante as primeiras horas de jogo, o que estabelece as bases de uma ação de mistura de histórias e dilema familiar, tudo carregado por uma dupla pai/filho tão conflituosa como em 2018, embora uma certa cumplicidade emergente seja visível neste novo jogo.

Atreus cresceu e a sua maturidade vem com a sua parte de desventuras, que colocarão uma pressão sobre o seu lugar dentro da ordem universal e no coração da sua pequena família recomposta. Muitas vezes também é ele quem lidera a dança, relegando Kratos para o papel de pai compreensivo (mas longe de ser ingénuo).

O Campo de batalha é deslumbrante

A nossa busca iniciática, portanto, recomeça com vigor renovado, desta vez levando-nos lenta mas seguramente ao Ragnarök. Todos os reinos são afetados, então uma solução deve ser encontrada – pacifista ou não – o mais rápido possível. O combate é, portanto, uma parte extremamente importante do jogo, que se baseia nas bases sólidas do jogo anterior. A sensação de retomar a aventura pelo caminho continua desde que começamos com as duas armas que tínhamos no final de God of War (2018) e que estamos a lidar com os mesmos tipos de inimigos.

No entanto, temos direito a alguns novos recursos, incluindo ataques Bifröst ou certas habilidades que nos permitem alterar a jogabilidade durante o combate. Estes desfrutam de grande versatilidade, um dinamismo familiar e um design de nível eficaz na maioria das vezes. Nada de novo sob o solo… a nevada, os jogadores retomarão facilmente às suas marcas.

A interface, no entanto, beneficia de uma boa reformulação visual. Se tudo parece um pouco menos claro à primeira vista, é principalmente porque o estúdio levou a personalização um pouco mais longe. A árvore de habilidades é, por exemplo, mais completa e vem numa organização que o leva a explorar todos os recursos que tem. Algumas habilidades realmente ganham com um certo número de usos em combate, então não pode descansar sobre os louros.

Tudo obviamente permanece à imagem do deus da guerra, sanguinário e impiedoso. Os fãs da franquia podem ficar tranquilos, a Sony não dilui o seu universo e apesar do ambiente frio, Kratos é de sangue quente. Desmembramento e decapitações, tudo é permitido nesta obra.

E ao contrário do jogo anterior, a saga nórdica de God of War não é só sangue e batalha. Kratos é um homem novo, um pai, que se reinventa ao longo dos jogos, e este pode muito bem ser o da maturidade. Como no jogo anterior, o estúdio enfatiza o aspeto exploratório do título, então terá que contar com muitas horas extras se quiser pesquisar todos os cantos e recolher todos os objetos.

Várias habilidades serão necessárias para desbloquear todas as áreas. Se temos a maioria deles graças a God of War (2018), alguns novos estão a aparecer o que complica ainda mais os caminhos do pensamento. O level design é, portanto, desenhado segundo esse desejo, sempre levando o jogador a procurar meios tortuosos para atingir o seu objetivo. É um jogo de xadrez do qual sempre pode sair vitorioso, mesmo que tenha que ser feito depois.

God of War: Ragnarök

Gráficos simplesmente fantásticos

Não há outra forma de o dizer: God of War Ragnarök é gráfico, certamente, mas de uma extrema suavidade ao olhar quando se para nos detalhes do ambiente. Já em 2018, o estúdio havia sido premiado pelo domínio das ferramentas gráficas e de animação que fizeram a reputação da franquia. Mais uma vez, o seu trabalho é simplesmente deslumbrante. Os cenários e os personagens parecem mais reais do que nunca, e essa impressão de fotorrealismo é ainda mais emocionante durante as cutscenes que nos oferecem uma imersão digna de um filme de ação.

Obviamente a transição para a nova geração ajuda muito no design das cenas, que ganham em elementos, fluidez e naturalidade. O RayTracing permite que ele transcreva fielmente o jogo de sombra e luz, especialmente nos numerosos objetos de metal no jogo. Se tivéssemos que reclamar, parece que às vezes há reflexos demais para que seja perfeitamente realista, mas é quase imperceptível para quem não se debruça sobre esse ponto.

Da neve, aos cursos de água, aos ambientes maiores (obviamente não vou dizer quais), tudo é absolutamente inspirador. O DualSense também permite que mergulhe um pouco mais, principalmente graças ao feedback tátil que reproduz as interações dos personagens com o seu universo, uma verdadeira vantagem para esse tipo de jogo.

Veredito Final God of War: Ragnarök

Depois de jogo anterior se ter tornado num multi-premiado, o Santa Monica Studio repete a experiência com God of War Ragnarök, que prova não apenas estar à altura da sua ilustre franquia, mas também supera todos os seus antecessores. O melhor dos melhores está neste jogo que está a apenas um dedo da perfeição, tanto visual quanto narrativamente. A sua jogabilidade continua a ser uma das mais eficazes que conheço, apesar da sua natural falta de novidade, e sempre podemos contar com um design inovador para uma encenação espetacular.

Sem qualquer duvida, para mim este é o jogo do ano. Como tal, a minha nota para o jogo só podia ser:

Este jogo foi-nos gentilmente disponibilizado pela PlayStation Portugal, para que a realização desta análise fosse possivel.

Já deixou o seu like na nossa página do Facebook e do Instagram? Receba toda a informação em primeira mão. Siga-nos também no Google Notícias, basta seleccionar-nos entre os seus favoritos clicando na estrela.