Ainda não foi desta que o TikTok foi banido nos EUA

Ainda não foi desta que o TikTok foi banido nos EUA

14 Novembro, 2020 0 Por Joel Pinto

A situação com o TikTok ainda é preocupante nos EUA, já que a plataforma está constantemente sob pressão, e o seu banimento está cada vez mais iminente. Mas com os acontecimentos recentes no país, está a beneficiar de um pequeno adiamento.

A essa altura, se o cronograma tivesse sido seguido, o TikTok já deveria ter sido banido da Terra do Tio Sam. No entanto, como as eleições do novo presidente foram realizadas recentemente, a empresa parece ter ganho um pequeno balão de oxigénio. Segundo as mais recentes informações do The Wall Street Journal, parece que o Departamento de Comércio dos EUA ainda não está pronto para executar esta ordem de proibição que forçaria a TikTok a cessar todas as suas actividades nos Estados Unidos.

De facto, o Departamento de Comércio cita uma injecção preliminar concedida ao TikTok, no passado mês de Outubro, passada por um juiz do tribunal da Filadélfia. Um grupo de influenciadores do TikTok juntou-se para abrir um processo, onde argumentam, alto e bom som, que a proibição teria efeitos significativos nas sua actividades profissionais.

Check Point TikTok negocio MAC Address 15 anos segurança

Situação do TikTok nos EUA continua indefinida

A agência acrescenta que não aplicará esta ordem de banimento até que os desenvolvimentos legais sejam levados adiante, mas isso não significa que o TikTok esteja obviamente fora de perigo. A empresa chinesa está actualmente envolvida em pelo menos duas outras acções judiciais, cada uma das quais a solicitar que a sua proibição em território dos Estados Unidos, não seja aplicada. Portanto, é apenas um descanso temporário que actualmente é concedido ao TikTok, que ainda terá de enfrentar nesses outros casos.

Além disso, essa liminar também não tem prazo de validade indeterminado. Isso significa que ainda é bem possível que a TikTok se veja forçada a encerrar as operações nos Estados Unidos. No entanto, pelo menos por enquanto, os utilizadores americanos da plataforma podem continuar a usar a mesma, e os seus serviços, para criar ou assistir a conteúdo.